segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Doação de sangue

 Infelizmente nessa época do ano o estoque de bolsas de sangue cai consideravelmente, principalmente pelo fato de estarmos focados com as festividades de fim de ano. Por outro lado, é uma das épocas em que mais se precisa, devido ao grande índices de acidentes.
  O assunto principal do blog é a escoliose, mas não poderíamos deixar de postar aqui, nosso incentivo, afinal, eu precisei de 12 bolsas quando operei, e essas 12 bolsas só foram cheias graças a essas pessoas que doaram meia horinha do seu dia para me ajudar a estar aqui, saudável.


Informações sobre a doação de sangue:

 Ninguém está livre de precisar de uma transfusão de sangue. Ninguém está livre de sofrer um acidente, de passar por uma cirurgia em que a transfusão seja absolutamente indispensável. E nestes casos há que se contar com a solidariedade humana, pois não há nenhum substituto para o sangue.

 • Segundo dados do Ministério da Saúde, atualmente, apenas 1,9% da população brasileira doa sangue. O ideal é que 3% da população seja doadora. 
• Quatro é o número de vidas que podem ser salvas com cada doação de sangue. Uma unidade de sangue total doado pode ser fracionada em concentrado de hemácias, plasma, concentrado de plaquetas e crioprecipitado. 
• O sangue representa cerca de 7% do peso corporal de um indivíduo adulto. 
• A doação de sangue não engrossa nem afina o sangue.
 • Doando sangue você não ganha nem perde peso.
 • Mulheres podem doar sangue mesmo no período menstrual.
 • A doação de sangue não oferece ao doador nenhum risco de contrair doenças infecciosas. Portanto, você não corre risco de contrair AIDS ou Hepatite com a doação de sangue. 
• Cinco são as etapas para uma doação de sangue: cadastro (ou registro) do doador, triagem clínica (inclui teste de anemia, verificação da pressão arterial, batimentos cardíacos, peso, temperatura e questionário sobre sua saúde), voto de auto-exclusão, doação propriamente dita e lanche pós- doação. 
• Todo o processo de doação de sangue dura cerca de uma hora. 
• O sangue doado é testado para seis doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue: Hepatite B, Hepatite C, HIV, HTLV, Sífilis e doença de Chagas. 
• Plasma é a parte líquida do sangue e corresponde a cerca de 55% do seu volume. Os outros 45% do volume do sangue são representados pelas células: glóbulos vermelhos, plaquetas e glóbulos brancos. 
• Glóbulos vermelhos ou hemácias são células que têm a função de transportar oxigênio dos pulmões para os tecidos e gás carbônico dos tecidos para os pulmões. São essas células que dão a cor vermelha ao sangue. A validade de um concentrado de hemácias varia de 35 a 42 dias.
 • Plaquetas são pequenos fragmentos celulares cuja função é ajudar na coagulação do sangue, evitando sangramento em excesso. A validade de um concentrado de plaquetas é de apenas 5 dias.
 • Glóbulos brancos ou leucócitos são células responsáveis pela defesa do organismo contra infecções.
 • Aférese é um tipo especial de doação que permite a coleta de apenas um componente do sangue. Pela técnica de aférese é possível doar separadamente plasma, plaquetas, leucócitos ou hemácias. 
• Mulheres representam menos de 40% dos doadores de sangue no Brasil. 


 Fiz outro post bem legal sobre a doação de sangue, onde tem as listras de hospitais para coleta, telefone do hospital, horário e até informações sobre estacionamento. Só clicar aqui que você será direcionado pra postagem.


Vou doar sangue. Tenho direito à folga no trabalho? 

Sim, o doador tem direito a um (01) dia de folga no trabalho em cada 12 meses trabalhados, desde que a doação esteja devidamente comprovada, de acordo com os termos previstos no Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943 (Consolidação das Leis do Trabalho). Esse direito também se estende ao funcionário público civil de autarquia ou militar, conforme preconizam a Lei Federal nº 1.075, de 27 de março de 1950, bem como a Lei EStadual nº 3.365, de 6 de junho de 1956. Mas apesar da legislação vigente, cumpre ressaltar que a doação de sangue é um gesto voluntário e altruísta e, portanto, não deve ser encarada como um benefício próprio.





Referências: Informações sobre a doação ; Lei do trabalho

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

18 de outubro: Dia do médico

 Fica aqui nossos parabéns e nossa gratidão a vocês, seres humanos que decidiram exercer uma das mais belas profissões. 
 Parabéns a vocês que já são médicos, aos que estudam medicina e serão médicos e aos que estudam para passar em uma faculdade para estudar medicina. Num blog onde o assunto central é um "problema" de saúde, nada mais justo do que fazer uma pequena homenagem à essas pessoas que estudam para criar asas e se tornarem anjos para nós.  Aqui está nossa pequena lembrança para alguns doutores que se tornaram inesquecíveis em nossas vidas.



Bianca Wildt com Dr. André Flávio.
Cleiciane Gomes com Dr. Paulo Cezar ( Recife-PE)
Bianca Valença (eu, rs) com Dr. Silvio Ferreira (Santos-SP)
Eveline Silva com Dr. Valmir Fernandes (Fortaleza-CE)
Mari Hanzen com Dr. Alexandre Borba (Porto Alegre-RS)
Gabriela Galindo com Dr.Alberto Gotfryd (Santos-SP)
Júlia Grasiella com Dr. André Flávio (de novo, esse é querido!) 
Dr. André(São Paulo-SP)
Dr. Rodrigo Dalessandro (Belo Horizonte-MG)
Dr. Roberto Sakamoto Falcon (Belo Horizonte-MG)


 Nosso agradecimento por vocês exercerem a medicina tão bem e com tanta dedicação. Obrigada!

sábado, 3 de outubro de 2015

5 anos depois

 Dia 25 de setembro completei 5 anos de operada. Há exatamente 5 anos atrás eu, com apenas 13 aninhos, segui para um centro cirúrgico, rumo a uma operação que demoraria 10 horas.
 Pois bem, hoje posso afirmar com toda certeza do mundo que foi a melhor coisa na vida. Na época de minha cirurgia, em 2010, uma pessoa que já tinha operado disse para mim "Bianca, a cirurgia não é nenhum bicho de 7 cabeças" e hoje concordo. Lógico, teve aquele pânico todo, aquele medo, mas não mudaria nada.
 Não sinto dores, sério, não sinto nada, abaixo, levanto, pulo, danço, tudo, tudo! A cirurgia não me atrapalha em nada na minha rotina.
 Evito pegar peso, mas não pelo motivo de eu sentir dor, e sim por um certo zelo com a minha coluna e com meu futuro.
 Fiz um ano e meio de curso técnico, e como o tempo era bem corrido pra mim, não consegui conciliar com o exercício físico (fazia natação) e tive que dar uma pausa até terminar o curso. Me formei fim do ano passado e já voltei pra natação, mas novamente, parei e atualmente não estou fazendo nada. Sempre estive ciente que eu precisava fazer exercício físico, mas essa semana tive a certeza. Essa semana acordei sentindo os pinos na minha coluna, como se eu tivesse operado há pouco tempo, coisa que nunca havia sentido, e logo pensei que fosse falta de atividade física. Fiz 15 minutos de uma musculação leve, pra fortalecer e adivinhem? Não sinto mais nada! 
 Acho que como tudo está dentro dos conformes (graças à Deus), não tenho muito o que dizer, só que fiz a melhor escolha do mundo! 

domingo, 30 de agosto de 2015

Reeducação Postural Global (RPG)

 Olá, pessoal.
 Depois de mais ou menos um ano e meio com o blog desativado, resolvi reativá-lo. Me anima lembrar de como ele foi importante para muitas pessoas.
 E hoje já separei uma matéria sobre o famoso RPG que muitos estão fazendo como tratamento de sua escoliose.

Um dos tratamentos mais indicados para a Escoliose é a RPG, técnica agradável e com efeitos positivos.
A escoliose é responsável por promover um encurvamento da coluna vertebral no meio ou nos lados. Essa deformidade pode ter diversas origens e independentemente do aspecto físico que parece ser igual em todos os tipos de escoliose, elas podem ter prognósticos bem diferentes.
Principais tipos de escoliose
A escoliose pode ser congênita, quando durante o desenvolvimento do feto ou do recém-nascido surge um problema de formação das vértebras ou uma fusão de costelas, nesse caso, um lado de uma vértebra não fecha totalmente ou as vértebras não segmentam como deveriam, afetando o modo como a coluna vertebral cresce. Ocorre em 10% dos casos; Neuromuscular, ocasionada por fraqueza muscular ou um controle precário dos músculos. Trata-se do resultado anormal dos músculos ou nervos e a coluna vertebral, geralmente, assume uma longa curva em forma de C, principalmente em crianças, uma vez que têm troncos muito fracos não sendo capazes de suportar seus corpos; Idiopática, é o tipo mais habitual de ocorrência, assume cerca de 80% dos casos e está associada aos quadros em que não se sabe o porquê de o paciente desenvolver aquela escoliose, não é possível identificar a causa. Muitas teorias já foram apontadas, mas nenhuma foi avaliada como conclusiva, embora a causa hereditária seja de forte relevância.
Características da Escoliose Idiopática
Esse tipo de escoliose, que é o mais frequente na população em geral, normalmente é divido em quatro grupos:
– Infantil: Do nascimento até os 3 anos de idade;
– Juvenil: Dos 3 aos 9 anos de idade;
– Adolescente: Dos 10 aos 18 anos de idade;
– Adulto: Após os 18 anos de idade.
Algumas pessoas são mais suscetíveis ao encurvamento da coluna. Durante a puberdade, por exemplo, a taxa de crescimento do corpo é mais rápida, aumentando o risco de progressão da curva. E nessa faixa etária a prevalência da escoliose é mais em meninas do que em meninos. No caso de crianças e adolescentes, muitas vezes a escoliose não tem sintomas visíveis e isso perdura até que a curva progrida significativamente.
Entretanto, alguns sinais físicos podem evidenciar o problema:
– A cintura pode parecer desigual;
– Os ombros ou os quadris se mostram assimétricos;
– Um lado da caixa torácica ou uma perna pode parecer menor que a outra;
– O corpo se inclina mais para um lado.
Tratamento da Escoliose Idiopática
O tratamento, normalmente, depende de alguns fatores, como causa, tamanho e localização da curva, idade do paciente e grau de evolução da deformidade. Na maior parte dos casos, a escoliose idiopática adolescente é leve e o tratamento pode ser dispensado.  Mas a curvatura pode se agravar. Inicialmente, o paciente é submetido a uma minuciosa avaliação funcional, radiológica e estética, para que depois seja traçada uma linha de tratamento adequada.
A escoliose pode ser tratada por meio da Reeducação Postural Global, um tratamento reservado para pacientes com desvio inferior a 40º. Trata-se de uma técnica bastante utilizada para correções posturais e tem por objetivo, reabilitar todo o sistema muscular, restabelecer uma postura adequada e os movimentos naturais da infância. É um tratamento muito agradável que utiliza manobras específicas para corrigir a postura com manipulações na coluna, braços e pernas.
Na RPG são trabalhadas “famílias” de posturas, através das quais são realizados processos respiratórios; desenvolvimento de consciência corporal e de equilíbrio; alinhamento corporal e equilíbrio de tensões musculares com reposicionamento de vértebras através das manobras.
Lembrando que quanto mais cedo o tratamento for iniciado, melhores serão os resultados. Por isso, é sempre importante observar os sinais irregulares do corpo. No caso de crianças ou adolescentes, os pais devem analisar como seus filhos se sentam, deitam ou mesmo se as roupas utilizadas estão bem alinhadas ao corpo.
Imagem retirada daqui


Texto original: RPG Souchard


segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Blog promovendo amizades!

Olá, galerinha!
Com os posts aqui do blog, duas meninas lindas viram que moravam próximo e se encontraram pessoalmente, legal, né? Mandaram um depoimento fofo pra dividir com vocês!

"O destino coloca nas nossas vidas pessoas tão especiais, e não fez diferente comigo. Atrás da Escoliose, de um blog,e não esquecendo da Bianca Moura, conheci alguém tão especial como a Rafa; A Rafa é uma menina maravilhosa, e sem dúvidas foi uma dos melhores presentes de Deus. Quem diria que atrás de um blog eu iria conhecer alguém tão parecida comigo, alguém que me entendesse tão bem e melhor ainda, moramos na mesma cidade e bairros quase vizinhos, pois é... Eu tive a sorte haha. Não me lembro muito bem da nossa primeira conversa, ou até mesmo do nosso primeiro “oi”. Mais me lembro que por uma pequena coincidência em 2011, a Rafa me reconheceu mesmo dentro de um ônibus, cheia dessas roupas de desfiles e entupida de maquiagem, fui da um beijão na Rafa mesmo sendo tão rápido, não valeu muito, mais ficou aquela vontade de nos ver de novo. E não foi diferente, depois de muito tempo, surgem então o nosso primeiro encontro, nossas primeiras fotos, de muitas que há de vim por aí, o nosso primeiro lanchinho da tarde, as nossas primeiras fofocas pessoalmente, tudo perfeito, né Rafa? Só faltou algo, um alguém... Pois é, faltou a Bia conosco. Mais um dia sei, que seremos nós três em uma tarde melhor ainda haha Digamos que tudo tem o porque, e ter a Escoliose me fez conhecer pessoas muito especiais, me fez amar e admirar pessoas mesmo sem ao menos nunca ter visto. Agradeço a Deus, por ter colocado pessoa tão especiais em minha vida, como você Rafa; Por me dar uma amiga, que se preocupa com minhas dores chatas de coluna por me dar conselhos quando estou triste. Te admiro muito Rafa, e peço a Deus para nunca deixa de te iluminar, que você continue sendo essa pessoa maravilhosa sempre, que venha muitas e muitas tardes juntas, que venham mais fotinhas, hein kk (amo fotos). E que um dia, e que esse dia não se demore, a Bia venha conhecer nossa cidade, haha. Bom gente, esse é o resumo de um resumo, mais está aqui o meu encontro com a Rafa. E que atrás do blog e da Bia, outras pessoas possam se conhecer pessoalmente e até mesmo criar uma amizade, assim como a minha e a da Rafa. Beijos no coração de vocês!
Brenda Lima"




Lindinho, né? Obrigada pelo depoimento, meninas!

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Boneca de colete

 Boa noite, pessoal! 
Olha que gracinha que a mãe do meu namorado fez pra mim. Colocou um coletinho de biscuit na boneca. Detalhe que é igual ao colete que eu usava.





 Ficou uma graça, né? Adorei!

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Minha História-Deborah Oliver

 Oi, oi, galerinha! Que saudade de vocês!!! Perdão a minha ausência, está muito difícil postar, pois estou estudando o dia todo...Mas enfim, aí vai um Minha História para vocês!


"Descobri a escoliose aos 13 anos, quando ao me abaixar pra pegar algo no chão, minha mãe percebeu a giba.
Fui a vários especialistas. São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis... Estava com 35 graus quando descobri, e a cada consulta os graus aumentavam... 40, 43, 45...
Estudei numa instituição muito boa, e ao saberem do meu problema arcaram com todas as despesas. Exames, viagens... tudo!!
Operei no ano de 2002, em Joinville com o Dr. Ricardo Miyamoto, no Hospital Dona Helena, aos 16 anos, estava com 63º.
Depois de mais ou menos 1 ano eu estava tendo uma vida normal.
Com 8 anos de operada resolvi engravidar. Nem lembrava mais da coluna. Esse foi meu erro. Fiz o pré natal, mas não procurei um especialista em coluna para fazer acompanhamento. Estava crente de que iria ter um parto normal e tudo ia sair bem.
Durante minha gravidez tive alguns problemas que me obrigaram a ficar em repouso. Talvez por isso eu não tenha sentido dores anormais nas costas.
Quando chegou a hora do parto eu vi que nem tudo ia ser normal.
Fiquei 25 hs em trabalho de parto. Não tive dilatação. Fiz mta força até ser mandada pra sala de cirurgia, onde fiz uma cesariana de emergência, com anestesia geral, uma vez que minha filha entrou em estado de sofrimento.
Depois disso comecei a sentir algumas dores, incômodos, mas como continuei de repouso por pelo menos 1 semana ( por causa da cesárea) estas não me assustaram pois não eram muito fortes.
1 mês depois, eu havia me mudado para Florianópolis, comecei a voltar a normalidade. Fazer os serviços da casa, cuidar da filhota e por aí vai. Certa manhã, minha filha chorando querendo mamar, eu não consegui me levantar da cama. A dor era dilacerante. Tentei chamar minha tia para me ajudar, mas não tinha força, doía demais. Ela escutou o choro a Lívia e como viu que não parava foi ver o que estava acontecendo.
Fui para a policlínica. Chegando lá constatamos pelas radiografias que as hastes quebraram, provavelmente pelo fato de eu ter feito muita força durante o parto.
Fomos ao médico que me operou, na Clínica IOT, em Joinville. Eu estava amamentando, não poderia tomar medicamentos fortes. Fui aconselhada a parar de amamentar para fazer o tratamento, mas eu não quis. Quando minha filha completou 5 meses, ela mesmo rejeitou o peito, então voltei até o consultório. Tomei arcoxia e mioflex por 1 mês. Mas as dores não cessaram. Então caiu a ficha, eu teria que fazer uma nova cirurgia.
Como já faz mais de 10 anos que operei, a cirurgia agora é para retirada de material, pois minha coluna já está calcificada.
Agora começa minha luta. Estou há mais de 1 ano esperando pela consulta com o especialista em coluna e nada. SUS né... o que me resta é esperar. Tomo remédios para dor ainda... injeções...
Bom Bianca, é mais ou menos isso.. =D
Um conselho para as meninas que pretendem engravidar: FAÇAM ACOMPANHAMENTO COM O ESPECIALISTA EM COLUNA DURANTE TOOODAAAA A GESTAÇÃO!!!
Beijinhos!!!"

Deborah Oliver